sexta-feira, 21 de maio de 2021

Nada de mau pode acontecer - Tore Tanzt

 
 Atenção: Este filme não é indicado para pessoas que se sensibilizam com facilidade. 
 Tore é um jovem epilético e ingênuo, que participa do movimento Jesus freak (que pelo que eu entendi é um movimento punk rock cristão), e que acredita que todos nós temos uma missão divina que nos será revelada no momento certo. Após auxiliar uma família com problemas no carro, Tore começa uma amizade com o patriarca Benno, que o convida para morar com eles em troca de o auxiliar com reparos e afazeres domésticos. Benno rapidamente se mostra uma pessoa sádica e violenta, o que faz Tore perceber que sua missão está relacionada àquela família e que ele deve alcança-la a qualquer custo, mesmo que para isso ele tenha que passar por torturas físicas e psicológicas.
 O filme é dividido em três partes: Fé, amor e esperança. Quem conhece o mito da caixa de Pandora sabe que depois de saírem todos os males daquela caixa, lá dentro só restou a esperança, o último e o mais terrível deles, e o último capítulo aqui se torna uma analogia perfeita ao mito.
 Tore Tanzt é constantemente ligado ao fanatismo religioso por conta de toda passividade demostrada por Tore diante das torturas sofridas, mas diante de toda crueldade demonstrada no filme, o que incomoda é a fé de um garoto que acredita que deve colocar sua vida em risco para ajudar outras pessoas?
 Entrou para o meu top 10 de filmes para destruir o psicológico, porque a expressão soco no estômago é até fraca para descrever o sentimento ao assisti-lo, principalmente depois que o filme acabou e apareceu a informação de que ele é baseado em uma história verdadeira. 

Direção: Katrin Gebbe
País: Alemanha
Ano: 2013
Minha nota: 9/10

5 comentários:

  1. Filme realmente impactante. Como existem pessoas e sociedades doentes!!!!!!!!! Chocado com o filme. Belo achado. Não sairá da mente nunca. Obrigado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse com certeza nunca sairá da minha mente também. Abraço, Orlando!

      Excluir
  2. Filme, hein! Em certos momento me vi assistindo “Snowtown”.

    ResponderExcluir
  3. Muito obrigado! Procurei esse filme por muito tempo.

    ResponderExcluir