domingo, 10 de outubro de 2021

Filhos do paraíso - Bacheha - Ye aseman


Ali,um menino iraniano de 9 anos, perde o único par de sapato da irmã ao busca-lo no sapateiro. Sabendo da bronca que tomará e que seus pais não tem dinheiro para outro par de sapato, Ali pede para que a irmã guarde segredo sobre a perda e propõe que os dois dividam o seu único tênis, já que estudam em horários diferentes e só utilizam o calçado para ir à escola.
Filhos do paraíso mostra de uma forma extremamente cativante aventuras que só crianças conseguem causar e dramas que só adultos conseguem perceber, e também traz tudo que a maioria dos filmes árabes que eu já assisti tem: histórias simples mas criativas, atuações excelentes e uma sensibilidade única.
Esse é um dos filmes que eu indico para todo mundo, pois é praticamente impossível não se emocionar com essa história. Altamente recomendado para restaurar sua fé na humanidade.

Direção: Majid Majidi  
País: Irã
Ano: 1997
Minha nota: 9,5/10

Parte 1


Parte 2

sábado, 25 de setembro de 2021

Ruth em questão - Citizen Ruth



 Ruth, interpretada pela sempre ótima Laura Dern, é uma mulher viciada em drogas, que não tem onde morar e nem como se sustentar. Após ser presa por inalação de vapores perigosos, Ruth descobre que está grávida novamente e o juiz lhe propõe uma diminuição de pena caso ela concorde em realizar um aborto, para que seu bebê não tenha o mesmo destino de seus outros 4 filhos, que ela nem mesmo sabe onde estão.
Depois de pedir por um auxílio divino, Ruth é "ajudada" por dois grupos totalmente opostos. O primeiro é um grupo cristão conservador, que tenta manipula-la a não abortar, e o outro é um grupo pró aborto, que ideologiza a liberdade da escolha a favor do aborto. Ruth é usada como símbolo pelos dois grupos, que nunca passaram pelas coisas que ela passou e que realmente nem se importam com Ruth ou com o possível futuro do bebê, pois para eles é muito mais importante empurrar suas ideologias e brigar com quem descorda delas.  
Ruth em questão mostra pontos além dos assuntos considerados tabus que todos adoram opinar, mesmo tendo algum conhecimento pelo assunto ou não. Ele consegue exibir de forma clara e irônica toda nossa falta de empatia e de respeito com o direito à escolha das pessoas.
Essa sátira politica pode ser usada como analogia para a abordagem de intermináveis assuntos, pois aparentemente só Voltaire defende o direito de fala de algo que não concorda. Fato esse que fica cada vez mais evidente com a internet, onde eu já vi discussões por discordância de opiniões até em site de receita.

Direção: Alexander Payne
Ano: 1996
País: Estados Unidos
Minha nota: 8/10


segunda-feira, 6 de setembro de 2021

A enviada do mal - The blackcoat's daughter - February


 Kat e Rose esperam seus pais, que não foram as buscar no dia correto na escola interna em que estudam. Rose informou propositalmente o dia errado à eles, pois ela tinha que resolver algo inadiável. Já os pais de Kat simplesmente sumiram, não apareceram, não atendem o telefone e nem deram notícias. Kat começa a ter sonhos e visões de que algo ruim aconteceu com seus pais através de uma presença que começa a cerca-la, trazendo gradualmente mais visões a Kat, e mais horror a todos que ainda estão naquela escola.
Paralelamente também acompanhamos a viagem de Joan, uma jovem que tenta, sem dinheiro e até sem roupas apropriadas para o inverno do Canáda, chegar a mesma escola em que Kat e Rose se encontram. Através de seu comportamento para com o solidário homem que está a ajudando e de seus flashs de memória, nós percebemos que Joan carrega um misterioso passado sombrio, que ela nunca conseguiu deixar para trás.
A enviada do mal traz pontos de virada surpreendentes de todos os personagens e um plot twist que, mano do céu... indescritível. Na mesma época de lançamento desse filme, outros com o mesmo estilo "post-horror" (terror/suspense psicológico, com uma narrativa lenta e com ótimas direções de arte e ambientações) fizeram muito sucesso (ou foram muito criticados), o que eu acredito que apagou a merecida visibilidade que A enviada do mal merecia. 
Obs: Tô vendo que daqui a pouco só vai ter filmes da A24 aqui.
 
Destaque:
  • Destaque para a ótima atuação da (atualmente ídolo dos fãs de séries de terror adolescente da Netflix) Kiernan Shipka. A lenta evolução da atuação contida para uma garota possuída foi surpreendente.

Direção: Oz Perkins
Ano: 2015
País: Canadá 
Minha nota: 8.5/10


domingo, 8 de agosto de 2021

Daniel isn't real


 
Daniel é o amigo imaginário de Luke, que após o incentivar a fazer algo ruim é trancado e esquecido até Luke atingir a idade adulta, quando depois de um momento de crise ele o liberta acidentalmente. 
Agora, as propensões à maldade e a manipulação de Daniel evoluíram, e ele usará todos os seus recursos para dominar o Luke completamente.
Terror leve com um tom que se divide em surrealismo e psicologia, tem uma bela construção estética sombria, onde toda a iluminação e cenário foram bem escolhidos. Este poderia ser um filmaço se o roteiro tivesse se sustentado até o final, mas (pelo menos para mim) ele segue uma linha que não foi a opção mais lógica ou emocionante ao filme.
Daniel isn't real foi muito criticado pelo público, mas na minha opinião ele tem muito mais acertos do que erros. Com certeza vale a pena assisti-lo, principalmente pelas ótimas atuações dos protagonistas Miles Robbins e Patrick Schwarzenegger (sim Schwarzenegger!).
Este filme foi sugeridos por frequentadores do blog, caso você tenha uma sugestão de filme que fuja do comum e que você não acha em lugar nenhum pode deixar nos comentários.

Direção: Adam Egypt Mortimer
País: Estados Unidos
Ano: 2019
Minha nota: 7.5/10

segunda-feira, 2 de agosto de 2021

Sala verde - Green room

                             

A banda punk The ain't rights sai em turnê com uma caminhonete velha e poucos shows na agenda. Depois de um imprevisto eles são convidados para tocar em um bar em troca de um pequeno cachê, e mesmo avisados de que o bar é lotado de skinheads eles aceitam o convite e tocam no local. 
Já se viu numa situação em que você sabia que ia dar merda desde o começo? Essa é a sensação que você terá até o meio do filme. Pois a banda testemunha algo que eles não deveriam ter visto e são trancados em uma sala verde, e é aí que começa o verdadeiro "rolê errado". 
Caso você desconheça a briga entre os punks e os skinheads, saiba que isso ocorre há mais de 40 anos, fato que só acarreta mais tensão à situação. O clima de suspense vai crescendo gradualmente e consegue sustentar o seu ápice por quase todo o segundo e o terceiro ato do filme.
Indicado para quem não aguenta mais filmes de terror com personagens estereotipados, que fazem as piores escolhas possíveis e que só falam idiotices. 
Sala verde é mais um filme da A24, a produtora adorada pelos fãs de filmes que fujam do padrão hollywodiano de cinema.  
Aviso: Esse filme contém cenas de violência.

Diretor: Jeremy Saulnier
País: Estados Unidos
Ano: 2015
Minha nota: 8.5/10

   

quinta-feira, 8 de julho de 2021

Os invasores de corpos - Invasion of the body snatchers


Super clássico da ficção científica, Os invasores de corpos traz os principais elementos para um ótimo sci-fi: uma história diferentona, suspense e muita paranoia.
Um grupo, formado por Matthew (Donald Sutherland), Elizabeth (Brooke Adams) e seus amigos, começa a investigar o estranho comportamento que a maioria das pessoas passaram a apresentar recentemente. Os habitantes da populosa São Francisco repentinamente ficaram inexpressivos, sem sentimentos e saem em grupos que ninguém sabe para onde vão e o que irão fazer. Essas pessoas inexpressivas logo começam a perseguir os que ainda se comportam normalmente, e Matthew e Elizabeth descobrem que para sobreviver em meio à esse caos, é necessário não dormir.
Os invasores de corpos é uma das minhas ficções científicas preferidas, e se você achou que conhece essa história é porque este filme é um remake do Vampiro de almas (1956), que também possui mais dois remakes e que também inspirou dezenas de outros filmes sobre invasão alienígena. Aliás, esse é um dos extremamente raros casos em que o remake é melhor que original, mesmo o anterior sendo ótimo. 

Destaque:
  • A cena final ficou tão famosa que foi homenageada em diversos filmes e séries.

Direção: Philip Kaufman
País: Estados Unidos
Ano: 1979
Minha nota: 9/10

domingo, 27 de junho de 2021

Dersu Uzala


A relação homem/natureza é profundamente questionada e refletida por um grupo de soldados russos quando, durante uma expedição na floresta da Sibéria, eles conhecem Dersu Uzala, um caçador mongol que será o novo guia da companhia. Com o passar dos dias, diante de todas as dificuldades enfrentadas pelo grupo, o respeito e a admiração pelo velho caçador aumenta imensamente, criando uma longa e profunda amizade entre o capitão e Dersu.
Baseado em uma história real, o filme narra como o caçador Derzu Uzala auxiliou soldados russos (inclusive salvando a vida de alguns deles) em uma missão para cartografar uma região cheia de florestas e desertos de gelo. É o único filme do Kurosawa filmado fora do Japão.
Eu sempre peço para que vocês deixem sugestões de filmes nos comentários e um dos diretores mais pedidos é o Akira Kurosawa, que é um dos meus diretores favoritos. Então eu resolvi postar um filme que, mesmo tendo ganhado o Oscar de melhor filme estrangeiro, não é um de seus filmes mais conhecidos ou comentados, mas que para mim é um de seus melhores.

Direção: Akira Kurosawa
Ano: 1975
País: Rússia e Japão
Minha nota: 9,5/10